Thursday, 24 November 2011

OSLAIN GALVÃO, A Voz de Ouro ABC

young Oslain Galvão 

Oslain Galvão was born on 17 September 1944, in São Paulo-SP. He had two passions as a boy and as a young man: to become a football player or a professional singer because he excelled in both activities.

Oslain Galvão was known amongst his friends and football companions as a guy who had a good voice and knew how to sing a tune. Friends and relatives insisted so much that Oslain decided to enter 'A Voz de Ouro ABC.

Starting in 1959 there was a popular talent scout competition called 'A Voz de Ouro ABC' - which translates as The Golden Voice - sponsored by ABC, a record-player factory. This competition was held in many Brazilian capital cities and there was a Final audition at Theatro Municipal in São Paulo where a national winner would be announced.

Oslain won the local phase and went on to the final where Elizabeth de Paula, a nice young lady from Minas Gerais ended up winning the contest. Oslain put on a brave face and accepted being the second best.

Some time towards the end of the 1960s Oslain did what he really wanted: enrolled himself in a Medical School and became a doctor. He eventually worked as a doctor at Hospital Sorocabana at Lapa in Sao Paulo. Oslain Galvão was not yet 54 years old when he died on 12 July 1998.

Here's the list of those who won 'A Voz de Ouro ABC'


Maricene Costa was the first act to win The Golden Voice competition in 1959. (see an article about Mauricene's appearance at the 'Andy Williams Show' at the end of this page)

1959 - Maricene Costa from São Paulo; soon she becomes a crooner at Walter Wanderley's combo.

1960 - Elvio Gobbi from São Paulo; 3rd place went to Clara Nunes from Minas Gerais who would eventually become the most famous of all the Golden Voices ABC.

1961 - David de Castro from Guanabara who records 'Ouvi dizer' for Copacabana; Edith Veiga was the runner up who soon recorded 'Faz me rir' for Chantecler that went straight to #1 in the country. Edith turned out to be the 'fastest' new talent coming out of A Voz de Ouro-ABC to have a hit. Before 1961 was over Edith was a star! Edith told journalist Thais Matarazzo: 'I used to sing at gong-shows until I entered 1961's 'Golden Voice ABC'. I remember my entry number was 263 and I sang Dolores Duran's 'Castigo' that had been recorded by Marisa. I ended up being chosen the runner-up by 3 orchestra conductors: Gabriel Migliori, Cyro Pereira and Herve Cordovil'.

1962 - Elizabeth de Paula from Minas Gerais; Oslain Galvão is the runner-up. It took Oslain 2 years to get in the charts with 'O divórcio'.


David de Castro won the contest in 1961; but Edith Veiga was the one who became famous.

Oslain signed a contract with independent label RGE Records and soon recorded 'Quem é?' a song made famous by Silvinho, a singer-song-writer from Rio de Janeiro. In those times it was common practice for the many labels to compete among themselves recording the same material with different performers. Sometimes the same song became famous with two or three different acts. This was not the case though. Oslain's 'Quem é?' could not compete with Silvinho who as a matter of fact was its author. 

Oslain missed the first time around but struck big time with his second single 'O divórcio' (Divorce) which went up the charts and made him a household name. Interesting enough divorce was not available in Brazil due to the Catholic Church interference in the laical state. 'O divórcio' was actually a tune originally written by Mexican singer-song-writer Pepe Avila who lived in Brazil then. Brazilians had to wait for more than 10 years until divorce was introduced in the country. But Oslain had his biggest hit nonetheless.

RGE rushed Oslain into the recording studio and soon the album 'O moço Oslain' (Young Oslain) was released making him a main-stream act. He later recorded a second album singing boleros with Paraguayan Trio Cristal in the same vein as Eydie Gorme had done with Trio Los Panchos for Columbia Records a year before (1964).

Oslain Galvão was also good as a DJ hosting a half-hour radio-show for Radio Piratininga in São Paulo in 1965 and 1966. He had a good natured personality and it showed through the air waves. Oslain Galvão could have been a lot more famous in show business. He never let fame go to his head but kept on pursuing his big secret dream: he wanted to become a doctor... and that was a very hard task to achieve in a country that neglected its Black population. Oslain persevered for many years and finally got into Medical School graduating some time in the early 1970s. Dr. Oslain Galvão vanished from the air waves but he became what he always wanted: a doctor! 

I never heard of him again. When I showed interest to know 'whatever become of'...' it was too late. Oslain Galvão had died on 13 July 1996... he was only 52 years old. 


Oslain Galvão da Silva, tirou 2o. lugar no concurso "Voz de Ouro ABC" em Julho 1962, mas foi o candidado que mais se destacou da turma. Gravou pela RGE e "estourou" em 1964 com "O divorcio", bolero do mexicano Pepe Ávila, embora divorcio ainda fosse inexistente no Brasil- só havendo o famigerado desquite.

Oslain teve programa diário de meia-hora na Radio Piratinga, no auge dessa emissora [1965-1966]. Abandonou o mundo artistico - talvez porque a RGE só lhe desse boleros para gravar? - tornou-se médico e trabalhou como tal no Hospital Sorocabano da Lapa, em São Paulo. Oslain faleceu em 13 de Julho de 1998.
A VOZ DE OURO ABC - 14 July 1962



Oslain Galvão is the runner-up to 'A Voz de Ouro ABC' in 1962. On the right: MC Sônia Ribeiro, Elizabeth de Paula, the winner of the contest; Oslain Galvão the runner-up and MC Blota Junior.

These were the 21 finalists representing the 21 states of the Brazilian Federation in 1962. Next year, there would be a 22nd member when Acre would become a new state.

1. Joel Telles de Souza (Guarnabara)
2. José Carlos Gomes Peixoto (Ceará)
3. Oslain Galvão da Silva (São Paulo)
4. José Carlos Braga (Bahia)
5. Hormízio Santos Muniz (Espírito Santo)
6. Lúcia Faria Marques (Maranhão)
7. Március Vinícius (Estado do Rio de Janeiro)
8. Goiandi Gomes de Brito (Goiás)
9. Olímpio Silva (Santa Catarina)
10. Flávio Áires (Pará)
11. Therezinha Vas Leguisamo (Rio Grande do Sul)
12. Raymundo Santana Bergues (Alagoas)
13. Eduardo de Ataíde Leite (Pernambuco)
14. Francisca Canindéia Ferreira (Rio Grande do Norte)
15. Francisco Oliveira (Piauí)
16. Elizabeth de Paula (Minas Gerais)
17. Liete Rocha (Paraná)
18. Francisco Baulbuena (Mato Grosso)
19. Luiz Costa Ouro (Sergipe)
20. Celso Miranda (Amazonas)
21. Durvaldo Varandas Filho (Paraíba).


Contestants from the many states like Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso, Maranhão, Ceará (a fellow who looks like Sammy Davis Jr.), Guanabara wait for their turn to sing.



Above: the jurors who chose the best candidates were: Dulce Sales Cunha, council-woman; Hervê Cordovil, song-writer and orchestra conductor; Gabriel Migliori, orchestra arranger: Francisco Nepomucneo; Thalma de Oliveira, TV & Radio producer; José Scatena, RGE Records director and Benil Santos, RGE's Artist & Repertoire man.

below: candidates from Sergipe (Luiz Costa Ouro), São Paulo (Oslain Galvão) and Santa Catarina (Olímpio Silva) watch producer Thalma de Oliveira while he goes through the process of chosing the order of presentation of the candidates.


Elizabeth de Paula from Minas Gerais wins the 'Voz de Ouro ABC' competition; producer Thalma de Oliveira, Sônia Ribeiro, Elizabeth and Blota Junior at Theatro Municipal.


Elizabeth de Paula won over the jury and the public after her dramatic rendition of Vinicius de Moraes's 'Serenata do Adeus' that had been taken to #1 in the charts by Morgana 4 years earlier.


Elizabeth de Paula gets elected the new Golden Voice ABC singing Vinícius de Moraes' 'Serenata do Adeus'; having been acompanied by the full Radio & TV Record Orchestra conducted by Cyro Pereira. The arrangement was done by conductor Moacyr Portes from Radio Inconfidência of Belo Horizonte-MG.


RGE released this EP for Christmas 1962, containing 4 tracks by different winners of 'A Voz de Ouro ABC' contest. 1962's winner Elizabeth de Paula sings 'Noite Feliz' (Stille Nacht); David de Castro sings Joubert de Carvalho's 'Mundo afora'; Maricene Costa sings 'Silhuetas' and Elvio Gobbi 'La mamma'. The liner notes follow:

O ambiente é de festa. Entre esperançados e ansiosos, jovens aguardam o momento para o qual vêm se preparando há muito tempo. Luzes, câmereas, microfones... e, um a um, êles vão se apresentando. Quem são? De onde vêm? São jovens cantores, moças e moços que um dia sonharam com a glória! Vêm de todo Brasil: trazem n'alma e no rosto os traços inconfundíveis de suas origens. São paulistas, amazonenses, baianos e catarinenese, brasileiros de todos os estados, reunidos para cantar e glorificar a música popular brasileira. Todos lutam por um título, que abrirará um dêles as amplas portas da fama e do sucesso. De repente, se faz silêncio. Suspense. O locutor vai anunciar o nome vitorioso. E um dêles é aclamado 'A Voz de Ouro ABC'.

A competição musical, artística, onde só há vencedores, a Voz de Ouro ABC objetiva relevar valôres novos para a música da nossa terra. Meses e meses, em todo o país, o trabalho é intenso. Rigorosa seleção aponta os 21 representantes dos Estados. Depois... a Final! 21 autênticos valores obrigam um grande júri a intenso trabalho, para dentre êles selecionar o melhor, A Voz de Ouro.

Maricine Costa, de São Paulo; Elvio Gobbi, de São Paulo; David de Castro, da Guanabara; Elizabeth de Paula, de Minas Gerais, já alcançaram esta consagração. Agora eles estão reunidos neste 'compacto-duplo' para oferecer momentos agradáveis aos apreciadores de boa música.

'Silhuetas, 'Mamma', 'Mundos afora' e 'Noite Feliz' (Stille Nacht) são as composições interpretadas pelos detentores do titulo de 'A Voz de Ouro', que comparecem nesta gravação oferecida por ABC Rádio e Televisão como lembrança de Natal de 1962, com os votos de um Venturoso 1963.

back-cover

Elizabeth de Paula's EP with 'Pensando em você', 'Alguém sentirá', 'Serenata do adeus' and 'Pagador de promessas'.

AMIZADE 

Tive o grande prazer de conviver com o bom-humor do Oslain Galvão. Jogamos futebol-de-várzea nos times do Flor do Guarany e do Flor Indiana. Tenho que enfatizar a determinação do Oslain, pois o mesmo prestou vestibular-para-medicina por volta de oito anos seguidos, até conseguir seu intento. Soube, depois, que ele conseguiu ser diretor no hospital em que trabalhava.

Essa demora em entrar na faculdade era motivo de conversas hilariantes sobre cultura e escolaridade entre Oslain e Mazzaferra, nosso amigo em comum, tudo isso acontecendo antes de nossos jogos, aos sábados à tarde ou domingos de manhã [que saudade desse tempo!]. 

Ainda mantenho amizade com o irmão de Oslain, o dr. Charlain Galvão, advogado, embora nos temos visto muito pouco nesses anos, por eu residir na Ilha do Governador-RJ, o carinho é muito grande.

Ainda registro a grande facilidade que Oslain tinha de fazer amigos. Sua falta é grande.

Texto de Oilson Roberti, em depoimentos escritos em 12 Janeiro 2011 e 22 Março 2011, na comunidade do Orkut em homenagem ao Oslain Galvão. 


Oslain Galvão
'O moço Oslain' - RGE XRLP-5.238


1. O divórcio [El divorcio] – Pepe Avila; v.: Benil Santos
2. Feliz de quem – Rubens Caruso & Carlos Jair
3. Se eu pudesse lhe dar o perdão – Carlos Marques & Marino Pinto
4. Meia volta [Media vuelta] – José Antonio Jimenez; v.: Eduardo Prado
5. Tão pouco tempo [So little time] – Dimitri Tiomkin & Paul Francis Webster; v.: Juvenal Fernandes [do filme ’55 Days at Peking’]
6. Sabe Deus [Sabra Diós] – Alvaro Carrillo; v.: Nelly B. Pinto

1. Eu pago esta noite [Stasera pago io] – Domenico Modugno; v.: Waldyr Santos
2. Penso em você – Raul Sampaio & Benil Santos
3. Cem punhais [Cien puñales] – J.Vaca F. & Cabrera; v.: Eduardo Prado
4. Canção do amor que eu perdi – Zuleika Amaral
5. Quatro palavras [Cuatro palabras] – Federico Baena; v.: Sebastião F. da Silva
6. Um minuto [Um minuto] – Gabriel Ruiz & Gabriel Luna de La Fuente; v.: Francisco Dias

Primeiro album de Oslain Galvão pela RGE, lançado no ano de 1964, quando a RGE estava na crista da onda com seus LP’s de shows de Bossa Nova gravados ao vivo no Teatro Paramount de São Paulo.

RGE, gravadora independente paulista, lançadora vitoriosa de Maysa, senhora do ‘high-society’ transformada em cantora popular, sempre esteve ligada a ‘A Voz de Ouro-ABC’, concurso anual para descobrimento de novos talentos, realizado em todo o Brasil, e com grande finale no Teatro Municipal de São Paulo. Um dos prêmios aos vencedores era a oportunidade de gravar um ‘compacto-simples’ pela gravadora tri-color. Apesar de Oslain, representando o estado de S.P. ter sido apenas o 2º. colocado à mineirinha Elizabeth Paula, a RGE resolveu dar uma deixa ao rapaz.

‘O divorcio’, versão de Benil Santos de um bolero do mexicano Pepe Avila, que vivia no Brasil naquela época, estourou nas paradas e foi direto p’ro 1º. lugar. Foi daí que os diretores da RGE resolveram gravar um LP inteirinho com o ‘moço Oslain’... e daí o título desse album.


Comentários sobre ‘O MOÇO OSLAIN’, LP da RGE de Oslain Galvão – 1964/1965.

Album começa triunfalmente com ‘O DIVÓRCIO’ [El divorcio], bolero com características mexicanas, devido ao arranjo dos metais lembrar o som dos mariachis. Embora divorcio ainda não existisse no Brasil, parece que ninguém se importou com esse detalhe, pois o disco chegou ao 1º. lugar, vendendo dezenas de milhares de cópias, fazendo de Oslain Galvão um nome conhecido de norte a sul.

‘FELIZ DE QUEM’ – 2ª. faixa do micro-sulco não passa de um bolero choroso, onde Oslain procura emular o [famigerado] Carlos Alberto, que gravava pela CBS e vendia horrores desde o final de 1963. Composição de Rubens Caruso, autor do samba ‘Não sabemos’, gravado por Leila Silva, que estourou em final de 1960. Isso prova que Caruso produzia sambas, boleros, guarachas etc. por encomenda.

‘SE EU PUDESSE LHE DAR O PERDÃO’ – mais um bolero comum, embora aqui Oslain esteja impecável na interpretação. O arranjo com violinos e seção de metais chega a ser sofisticado, mas sem muito resultado.

‘MEIA VOLTA’ [Media vuelta] bolero-amexicanado. Esse é o ‘follow-up’ de ‘O divórcio’, e chegou a tocar bem nas radios, mas o bolero encontrava competição cirrada na Invasão da Musica Italiana dos anos 1964 e 1965. A balada italiana substituiu o bolero e o samba-canção no gosto dos compradores de discos. Sergio Endrigo, Gino Paoli, Michele, Peppino Di Capri, Rita Pavone e Edoardo Vianello eram imbatíveis nesta altura.

‘TÃO POUCO TEMPO’ [So little time] – fox romantico, tema do filme ’55 dias em Pequim’ [55 Days at Peking], do grande maestro grego Dimitri Tiomkin e letra de Francis Webster. Super-produção de 1963 bem ao gosto da época, com Charlton Heston, David Niven e Ava Gardner, em seu ultimo papel no cinema, sobre a rebelião dos Boxers, na China de 1900. Melodia bonita, com muitos violinos e clarinete no interlúdio. Oslain é tão bom no fox quanto no bolero.

SABE DEUS’ [Sabra Diós] – bolero choroso levado ao 1º. posto por Carlos Alberto no início de 1964, tendo sido anteriormente lançado, em 1958, pelo Trio Los Panchos e Dolores Duran. Mais um exercício em futilidade da RGE. Oslain tem uma interpretação bem contida, num arranjo incrivelmente ‘cool’, com piston em surdina e uma guitarra jazzística no interlúdio. Mas só um milagre salvaria tal gravação.

EU PAGO ESTA NOITE’ [Stasera pago io] – Primeira faixa do lado B do LP ‘O moço Oslain’ – o maestro-arranjador ‘amexicanou’ essa canção dramática de Domenico Modguno, que narra a noite do falecimento da heroína e amada do personagem. Outro exercício em futilidade da RGE, já que a Odeon já tinha lançado uma competente versão em português, com o Altemar Dutra e outra em espanhol, com Lucho Gatica. Oslain tem aqui uma interpretação chorosa, que não condiz com seu estilo ‘cool’, não precisando desse tipo de histrionismo.

‘PENSO EM VOCÊ’ – samba-canção com enviés de cha-cha-cha – bonita composição de Raul Sampaio & Benil Santos, os ‘bambas-de-plantão’ da RGE, que forneciam sucessos para o Miltinho, em sua fase romântica de 1962 e 1963. “Penso em você’ chegou a tocar no radio.

‘CEM PUNHAIS’ [Cien puñales] – bolero amexicanado – o terceiro deste LP. O que se pode esperar de um título destes? É a velha estória da mulher que deixa o namorado pobre por um outro com mais dinheiro, neste caso, levando consigo o filho bastardo. Olha a ‘pérola’ da letra: ‘Pela imagem do Senhor, confesso que tem um filho que é meu retrato fiel, que foi presente da lua naquela noite de Abril. A lua engravidou a moça... e os cem punhais cravaram o coração do rapaz.

‘CANÇÃO DO AMOR QUE PERDI’ – mais bolero, agora nacional, onde Zuleika Amaral rima ‘sonho’ com ‘medonho’. A interpretação, no entanto, é impecável, com um solo de piano e piston em surdina no interlúdio, que lembra a Matanza Sonora do [grande] Bienvenido Granda.

QUATRO PALAVRAS’ [Cuatro palabras] – bolero lento, sem muita novidade. Versão do radialista Sebastião Ferreira da Silva, que era o pesquisador-chefe da ‘Grande Parada’, da Radio Nacional de São Paulo. Se fosse lançada em ‘single’, sempre existia a chance de ‘entrar na Parada’; o que não foi o caso aqui. Olha o texto: ‘Eu te surpreendi como um ladrão que entrou pela janela para roubar a felicidade’.

‘UM MINUTO’ – canção-bolero-lenta – Oslain, mais uma vez, esbanjando talento e sensibilidade na interpretação, tendo ao fundo fagote e clarinete.


Comentário final: Oslain bem que merecia um material melhor da RGE. Oslain tinha tudo para ser o sucessor do grande Agostinho dos Santos; no entanto, a RGE só o via como concorrente de Carlos Alberto. Oslain tinha cacife para ser um dos melhores intérpretes da MPB e estar lá junto com Pery Ribeiro, Sylvio Cesar e outros do nosso cancioneiro.

compactos-simples 

70.060 - O divórcio / Quatro palavras - 1964
70.106 - Eu pago esta noite (Stasera pago io) (D. Modugno) / Penso em você (R.Sampaio-Benil S.) 
70.124 - Feliz de quem / Meia volta 
70.129 - O homem e a mulher / Tão pouco tempo (So little time) - 1965
70.154 - Talvez na eternidade / Meu coração se foi (com Trio Cristal)
70.357 - Uma familia (Una famiglia) / O trem (Il treno)  1969

1964's 'O divórcio' was Oslain greatest hit in his musical career.
'Feliz de quem' / 'Meia volta' (CS-70.124

'O homem e a mulher' / 'Tão pouco tempo' (So little time) CS-70.129
Oslain & Trio Cristal's 'Talvez na eternidade' / 'Meu coração se foi' (CS-70.154)
'Una famiglia' recorded originally by Memo Remigi plus Isabella Ianetti; 'Il treno' was presented at San Remo by Rosanna Fratello plus Brenton Wood. This single was probably Oslain's last RGE release.

compactos-duplos

Oslain Galvão's EP 'Eu Pecador' (CD-80.150); 1. Eu pecador; 2. Anjo adorado; 3. Quem é?; 4. Que lástima. 
an Oslain Galvão Portuguese release.

 78 rpms

1st October 1962 - Radiolandia #387
'Quem é' b/w 'Que lástima' (10.465) was Oslain's debut single.
'Anjo adorado' b/w 'Eu pecador' (10.485)

Pedro Ramirez, Enrique Casanova, Oslain Galvão & Alberto Maximo Casanova.

1. Talvez na eternidade (Quizá en la eternidad) - Armando Dominguez; v.: Julio Nagib
2. Sofrendo (Pepe Avila)
3. Primeiramente Deus (Primeramente Diós) - Eligio Perez Martinez; v.: Julio Nagib 
4. Meu coração se foi (Mi corazón se fué) - Ernesto Lecuona; v.: Julio Nagib
5. Sinceridade (Sinceridad) - Gaston Perez; v.: Ivon Cury 
6. Minha oração (Mi oración/My prayer) - Georges Boulanger-Ben Moular; v.: Cauby de Brito 

1. Boa noite, meu bem (Buenas noches, mi amor) - Hubert Giraud-Marc Fontenoy; v.: Fred Jorge
2. A ultima loucura (La ultima locura) - Raul Sampaio-Benil Santos-Pepe Avila
3. Ciúme (Celos/Jalousie) - Jacob Gade-Ben Molar; v.: Osvaldo Santiago 
4. Retorna, meu amor (Regresa, mi amor) - Alexandre Cirus-Michel Bender; v.: Máximo Casanova
5. Desesperadamente (Irremediablemente) - Máximo Casanova-Oslain Galvão
6. Em meu pensamento (Aunque estés ausente) - Teodoro Dehesa Garcia; v.: Juvenal Fernandes 

Alberto Casanova, a friend, Enrique Casanova, Pedro Ramirez & Oslain Galvão at the Sugar Loaf in Rio de Janeiro.  

Revista do Rádio de 2 Janeiro 1965, conta a história de Oslain Galvão até seu sucesso espetacular com 'O divórcio'.
Oslain atravessa a Avenida São João. Note as Grandes Galerias (atual Galeria do Rock) e o Cine Art Palácio à direita. No quarteirão de baixo havia uma Lojas Garbo. 
Oslain sendo barbeado no centro de S.Paulo.
o colega Jair Rodrigues assina vários autógrafos enquanto Oslain lê entretido.
o moço Oslain na frente do Cine Art Palácio; 'Tereza' cover de Sergio Endrigo - Outubro 1966.

texto de Mario Julio para Revista do Radio de 2 Janeiro 1965. 

Ele era jogador profissional de futebol do Clube Estrêla da Saúde na Vila Mariana ganhando 8.000 cruzeiros por mês.  Após uma partida com o time de Jundiaí, no ônibus em que regressava para São Paulo, Oslain se divertia cantando, quando Alberto Barbato, o diretor do seu clube, disse-lhe que deveria tentar o Radio. Por que? Ora, porque o rapaz tinha bossa e muito jeito para ir em frente. No dia seguinte dessa conversa, o rapaz e Alberto foram à Radio Record e no programa de Sonia Ribeiro, uma espécie de peneira de calouros, o futebolista enfrentou o microfone pela primeira vez. Saiu-se bem, conquistando a melhor situação entre os concorrentes. Prometeram-lhe contrato, mas isso não se efetivou.  E Oslain continuou jogando. 

Em 1962, o mesmo Alberto que o havia conduzido à Record, o incentivou a se inscrever no concurso anual A Voz de Ouro ABC, pois tinha confiança no seu triunfo.

Oslain Galvão da Silva, nascido em João Pinheiro em Minas Gerais, tomou-se de coragem e foi disputar um lugar ao sol, entre muitos cantores desconhecidos que almejavam o mesmo. Foi, viu e venceu, classificando-se em segundo lugar muito merecidamente. Assinou contrato com os patrocinadores do certame para atuar durante uma temporada em radio e TV. Ganhou como prêmio 240.000 cruzeiros, um aparelho de televisão ABC e uma passagem para conhecer o Brasil de ponta a ponta.  A RGE chamou-o para suas fileiras, com exclusividade, onde permanece até hoje, tendo gravado neste etiqueta 3 discos, bem recebidos pelo público, tendo 'O divorcio', do mexicano Pepe Avila, chegado ao topo das paradas de sucesso. Devido ao sucesso do 78 rpm/compacto-simples a RGE gravou o LP 'O moço Oslain', onde ele interpreta além do 'O divorcio', outras 11 canções. 

Apesar de cumprir vitoriosa carreira na sua nova profissão, o cantor não esqueceu o futebol que gosta demais,  a ponto de continuar pelando na Várzea, vestindo a camiseta do Grêmio Esportivo Luminar e do Grêmio Esportivo Flor do Guarani. É torcedor do Corinthians. Oslain ainda é solteiro e está p’ra nascer quem não aprecie o seu modo de agir, para com todos. Simples, modesto, tem horror à ‘máscara’. Analisando os passos da sua vida artística, podemos dizer que o futebol perdeu um elemento dedicado, mas o público ganhou um excelente cantor.

Oslain Galvão é acompanhado ao sax por Santucci de Marília-SP em show em 1966 em Tupã-SP.


Maricene Costa sings at the Andy Williams Show on ABC (Intervalo November 1966) 

No comments:

Post a Comment